Entendendo A Função Reduce - Parte 2

A parte 1 do artigo se encontra aqui. Entendendo A Função Reduce - Parte 1 Eu dei uma relida no artigo sobre reduce que tinha publicado anteriormente, e percebi algumas coisas que eu gostaria de adicionar, vamos lá. Se você não leu o artigo anterior, eu recomendo ler. Tipos de retorno no reduce O reduce recebe uma lista do tipo X (onde X pode ser um objeto, um número, qualquer coisa) e geralmente te retorna um único valor do tipo X, vamos dizer que isso é do tipo [X] -> X.

Clean Code: Classes

TL;DR Classes deveriam ser pequenas, deveriam fazer somente uma coisa e deveriam ter somente um motivo para mudar Classes deveriam ser pequenas Existe um milhão de motivos para odiar classes grandes: o código fica com aspecto de bagunçado, existem literalmente dezenas de métodos que podem fuçar em todos os atributos da classe, o que aumenta a chance de algum erro passar despercebido, e também é uma porcaria se “mover” na classe, você pula pra um método privado da classe, e vai pra 1000 linhas abaixo de onde você estava.

Clean Code: Testes

Falar que testes são importantes para a mantenabilidade do código é chover no molhado, mas é sempre bom ter em mente que nem todo teste trás tanto benefício assim. Testes que quebram o tempo todo, são difíceis de estender, e complicados de entender, são mais prejudiciais do que benéficos para a sua codebase, e o autor explica o porquê nesse trecho. “Ter testes ‘sujos’ é o equivalente ou até mesmo pior do que não ter testes.

Clean Code: Formatação

Introdução A primeira impressão que tive sobre o capítulo sobre formatação é que ele só teria obviedades, afinal, formatar código não tem muito segredo, mas eu vi algumas provocações interessantes que gostaria de compartilhar. Por exemplo, se eu perguntasse que código funcionando é a coisa mais importante no trabalho de um Programador, a grande maioria das pessoas diria que sim. E o uncle bob no começo do capítulo lança uma provocação e diz que isso não é verdade.

Clean Code: Fazendo bom uso das funções | Parte 2

Esse artigo é a continuação do tema “funções”, por favor leia a parte 1 primeiro. Um nível de abstração por função Para garantir que a nossa função faz somente uma coisa, nós precisamos ter certeza que os pedaços de código dentro da função estão no mesmo nível de abstração. O que eu quero dizer com isso é que se uma parte da sua função está cuidando de coisas bem abstratas, não faz muito sentido misturar isso com detalhes de implementação logo abaixo.

Clean Code: Fazendo bom uso das funções | Parte 1

Parafraseando o próprio uncle bob, funções são a primeira linha de organização de qualquer programa. Ou seja, na maioria das linguagens, uma função (ou método) é a “menor” forma de organizar seu código. Você pode ter classes, interfaces e tudo mais, mas dentro disso tudo estarão funções mantendo sua codebase organizada. Ou bagunçada, depende de como você as usa. Eu diria que essa é uma das partes mais importantes dessa série de artigos justamente por isso.

Entendendo A Função Reduce

A função reduce é bastante incompreendida por muitos programadores. Tendo isso em vista hoje vamos mexer um pouco com essa função e implementarmos a nossa própria versão para clarificar mais o que essa função faz debaixo dos panos

Guia fundamental da programação orientada a objetos - Final

Agora que nós já vimos os pilares da POO e a sua importância, está na hora de abordar mais alguns aspectos importantes de orientação a objetos neste último artigo. Vamos falar um pouco sobre classes abstratas, interfaces e classes finais (conhecida como classe selada em algumas linguagens). O que são classes abstratas? Elas são classes que não podem ser instanciadas. Ou seja, você não pode criar objetos a partir de uma classe abstrata.

Guia fundamental da programação orientada a objetos - Parte 2 | Os pilares

É impossível falar de programação orientada a objetos sem citar seus famosos quatro pilares. Seguir esses pilares é muito importante para que você possa conseguir todos os maravilhosos benefícios da POO. No artigo de hoje eu vou falar exclusivamente sobre esses pilares, e sempre que pertinente vou exemplificar com código e imagens. Seria ótimo que você deixasse seu feedback nos comentários. Quais são os pilares da POO? A POO possui alguns pilares que devem ser seguidos para que possamos começar a obter os benefícios oferecidos por esse paradigma da maneira mais correta possível.